ÚLTIMAS AÇÕES
recent

Comissão debate os problemas da tração animal

A imagem pode conter: 6 pessoas, pessoas sentadas e área interna


    A Comissão Especial para tratar sobre veículos de tração animal,Dra Cida Brizola (presidente), Manoel Badke (vice-presidente) e Celita da Silva (relatora), reuniram-se nesta terça (02) com com a presença do médico veterinário do município, Alexandre Caetano, do médico veterinário e professor da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Marcelo Soares, e do médico veterinário, Carlos Flávio Barbosa da Silva, que explanaram sobre o tema.

  Alexandre informou que a Secretaria de Meio Ambiente está elaborando um projeto que institui a Central de Triagem de Resíduos Sólidos e Compostagem de Resíduos Orgânicos e que este projeto visa solucionar as causas e as consequências do problema. “Chegamos à conclusão de que não bastava tirar o cavalo da rua sem oportunizar fonte de renda aos catadores”, ressalta. Segundo Caetano, a iniciativa visa contemplar 150 catadores, por turno, de forma cooperativada, de um universo aproximado de 500 trabalhadores que atuam nessa área. O projeto também prevê a criação de um banco de comercialização de produtos oriundos da reciclagem. Como contrapartida, os catadores não utilizarão mais seus cavalos e deverão dar destino aos animais. O professor Marcelo informou que a UFSM, desde 2015, dispõe de um centro de reabilitação equina. Ele relata que a má utilização de cavalos não é feita somente na coleta de resíduos sólidos. “O problema é muito mais sério e muito mais profundo”, adverte.
   O vereador Manoel destacou a existência de duas legislações que têm relação com o assunto: Lei 5552/11, que dispõe sobre a obrigatoriedade da identificação eletrônica - microchip de todos os animais domésticos, e a Lei 5657/12, que institui a Central de Controle e Bem-estar Animal. O parlamentar também ressaltou a problemática social que envolve a tração animal. “Não basta apenas tirar os animais das ruas. Temos que também observar a questão social”, opina. A vereadora Maria Aparecida manifesta que o “objetivo da comissão é fomentar o debate sobre o tema”. Diariamente, os aterros sanitários de Santa Maria recebem 180 toneladas de resíduos sólidos produzidos no município, conforme Alexandre Caetano.
  Os integrantes da comissão pretendem realizar uma audiência pública para que o assunto possa ser melhor debatido com a sociedade. Hoje, a partir da 14h, na sala de reuniões Vereador Lauro Machado, a Comissão Especial receberá novamente o médico veterinário do município, Alexandre Caetano, e o professores da UFSM, Luis Sangioni.



Texto: Mateus Azevedo
Foto: André Ribeiro
Tecnologia do Blogger.